08 maio 2012

Pombalinhense no ex-Ultramar Português


Já  AQUI  no "Pombalinho" nos referimos acerca de um dos pombalinhenses que cumpriu missão militar numa das  ex-colónias ultramarinas portuguesas, mais própriamente em  Angola.

Contudo, outros nossos conterrâneos  houve que também o fizeram!


O Soldado de Armas Pesadas 01077568,  Manuel da Conceição Silva Ferreira, natural de Pombalinho, filho de António Ferreira Júnior e de Maria Luísa Conceição Silva esteve em missão na Guiné-Bissau, em Madina do Boé. 


Fez parte da CCac 2405/Bacac 2854.

As tropas portugueses depois de terem estado cercadas em Madina, tiveram que, na sua retirada, atravessar o rio Corubal, junto a Che-Che.


A jangada, durante a noite efectuou viagens consecutivas entre as duas margens, transportando viaturas e equipamento militar retirado de Madina, assim como muito do pessoal que compunha a escolta à coluna, até que, já ao amanhecer apenas faltava transportar para o lado norte do Rio Corubal quatro grupos de combate, cerca de 120 homens, que pertenciam à CCaç 1790 e à CCaç 2405.

Mal a jangada se afastou da margem, ainda não estavam percorridos dez metros, já a mesma se afundava e projectava para as águas do rio os que nela se encontravam.


Neste trágico acidente no dia 06/02/1969 perderam a vida 47 militares portugueses, entre os quais o Soldado  Ferreira.

O seu corpo nunca viria a ser recuperado. 

Notas Finais:

1 - Texto retirado  DAQUI

2 - Documentário relacionado com a acidente, aqui no  Youtube

3 - Foto da jangada, da autoria de Paulo Raposo foi  retirada   DAQUI     

4 - Testemunho   do acidente relatado pelo então alferes miliciano Rui Felício.

5 - Outras referências ao trágico acidente do rio Corubal:






6 - Pesquisa de Bruno Cruz e Manuel Gomes
7 - Fotos de Manuel da C Silva Ferreira, cedidas gentilmente pelo seu irmão Júlio Ferreira.




2 comentários:

antonio duarte rodrigues disse...

Viva MGomes!

Muitos para parabéns pelo seu excelente artigo sobre os seus conterrâneos "arrancados" aos seus entes queridos e empurrados para a guerra colonial. Também vivi essa tragédia apesar de nessa altura ainda ser uma criança, pois tive primos e conhecidos mobilizados sobretudo para a Guiné.

Um abraço
António Duarte Rodrigues

MGomes disse...

Obrigado António, pela "visita"!!!!

Um Abraço!