31 maio 2009

Nossa Senhora de Fátima no Pombalinho!


A visita de Nossa Senhora de Fátima ao Pombalinho, no ano de 1954, foi porventura o acontecimento religiosos que maior simbolismo teve na vida dos Pombalinhenses! Não sabemos da existência de relatos escritos que nos permitam avaliar pormenorizadamente o que se passou nesse dia e mais concretamente na procissão, a que muitos aderiram, uns pela fé, outros tão simplesmente com o intuito de estarem presentes nesse momento único para a comunidade. Mas felizmente, pela gentileza de Pedro Menezes, que nos possibilitou a divulgação de algumas fotos bem representativas dessa visita de Nossa Senhora de Fátima, podemos testemunhar o nível de participação que a população teve nesse dia tão especial para o Pombalinho!





Fotografia tirada na quinta da família Menezes. Reconhecem-se da esquerda para a direita, Joaquim Menezes, Barão de Almeirim (filho da Baronesa de Almeirim), Américo Cachado, Padre Filipe, representante eclesiástico de Lisboa ou de Leiria, António Menezes, Manuel Coimbra e a criança, Joaquim Pedro Barreiros Nunes de Menezes.









A Igreja Matriz do Pombalinho, iluminada a preceito para esse dia de tão grande significado religioso.











Saída de Nossa Senhora de Fátima da Igreja Matriz. Iniciava-se a procissão que iria percorrer algumas ruas do Pombalinho.








A procissão a passar na rua António Eugénio de Menezes. É bem significativo, o nível de participação que os Pombalinhenses quiseram prestar à visita de Nossa Senhora de Fátima ao Pombalinho. Reconhecem-se de entre outros, António A. Mota, Francisco Souto Barreiros e Dr. Manuel Souto Barreiros, no lado esquerdo da fotografia, e Manuel D'Assumpção Coimbra no lado direito.




Fotos gentilmente cedidas por Pedro Menezes

Colaboração de Bruno Cruz, Frederico Barreiros Mota e José Coimbra de Castro Canelas







27 maio 2009

Vera Cruz Futebol Clube IX !




Equipa do Vera Cruz Futebol Clube, vencedora da final da taça da FNAT contra o Rio de Moinhos em jogo realizado na Atalaia no ano de 1964 ou 1965. O resultado final foi de 3-2, sendo um dos golos marcado de grande penalidade por José Bacalhau em resultado de uma falta cometida sobre Ezequiel Leal.


 Participaram nesse encontro de boa memória para o Pombalinho, os seguintes jogadores: de joelhos e da esquerda para a direita, José Galvão, João Nunes, José Correia, Ezequiel Leal, José Bacalhau e Joaquim Vieira. De pé e pela mesma ordem, Luís da Conceição, António Domingos, Izidoro Narciso, João Barros, Duarte Cruz (dirigente), Flores (treinador), Francisco Cruz (dirigente), António Bento e José Luís Gomes.


Para Blog Temático clicar em  Vera Cruz  







22 maio 2009

Retratos VI !


Estava-se em Dezembro de 1969 e o momento foi registado na rua Hilário José Barreiros. Da esquerda para a direita, António Carlos N Branco, Américo LF Ferreira, Carlos Júlio MF António, Francisco Gaião, António Carlos S Maria, Manuel J Gomes e António DR Brás.





17 maio 2009

Cartas de Maputo...!!!


Ridículos


Tinha dezassete ou dezoito anos quando escreveu a primeira carta para um jornal. Foi para o semanário humorístico “Os Ridículos” e era editado em Lisboa. Numa das suas secções denominada “Terra de ninguém” e destinada à publicação de cartas enviadas pelos assinantes, o nosso amigo Guilherme Afonso decidiu um dia para lá enviar um artigo no qual denunciou o facto de no Pombalinho, nessa altura com cerca de mil habitantes, não haver médico, nem farmácia, nem telefone, mas em contrapartida ter catorze tavernas!



Gazeta

Mais tarde também participou no Gazeta do Sul, colaborando com o envio de alguns artigos para este semanário do Montijo.



Photobucket


Tornou-se assinante de publicações de banda desenhada de enorme aceitação pública na altura, permitindo-lhe descobrir os famosos heróis nas suas inesquecíveis aventuras.

Uma viagem aos primeiros tempos da escrita editada de Guilherme Afonso e que o próprio intitulou de "Intervir", é a proposta que vos suscito AQUI neste espaço de memórias!







15 maio 2009

A força da tradição!



Photobucket


Esta não é como a maioria das fotografias em que as pessoas sentindo no momento o efeito do "olha o passarinho" , se preparam com mais ou menos preparos para a pose!

 Talvez nunca se venha a saber da intenção do fotógrafo ao fazer este registo de surpresa às pessoas nele incluídas, mas..., recorrendo a uma outra possível leitura, sendo talvez essa a mais importante para este espaço, é que apesar da celébre cheia de 1979 por ali ter passado, na rua António Eugénio de Menezes, a vontade de manter a tradição carnavalesca ficou bem patente na imagem desta mãe ao conduzir pela mão o seu filho, vestido de campino com todo o rigor, para um desfile alusivo à data porventura realizado no Pombalinho! Foi há trinta anos!



Na fotografia, Ana Leal e seu filho Bruno Cruz.





12 maio 2009

Prova de aproveitamento!


Antigamente nas escolas primárias realizavam-se as chamadas provas escritas de aproveitamento. Serviam para os professores avaliarem os desempenhos dos alunos nos períodos escolares que os antecediam e simultaneamente, porventura por razões pedagógicas, incutir nos jovens educandos um grau de exigência que de muita utilidade viria a servir  em  níveis escolares superiores.  
As memórias que temos desses acontecimentos escolares, propicia obviamente, uma viagem a tempos já um pouco longínquos, mas recordá-los em ”deliciosos” pormenores, transmite-nos uma inexplicável saudade que jamais poderíamos imaginar neste tipo de lembranças. 

E alguns deles, dessas pequenas coisas que em tempos pouca importância atribuíramos, passavam por exemplo, pela compra da folha onde se fazia a prova! Quem não se recorda dessa inesquecível folha dupla de trinta e cinco linhas que comprávamos na antiga Casa Farol  ? E aquela dobra longitudinal de cinco centímetros de largura que fazíamos com todo o cuidado para criarmos uma margem de referencia ao alinhamento da escrita? E a alegria que sentíamos quando aquele Bom (ou na melhor das hipóteses um MBom) escrito a vermelho no topo do exercício, era atribuído pela professora como resultado de todo o nosso esforço e dedicação? Bem, é todo um nunca mais acabar de sensações que justifica bem recordarmos a visualização de uma dessas provas de 1967 que Teresa Cruz, ao encontrar no baú das suas recordações, o classificou muito justamente desta maneira: “ ... Afinal, um papel sem aparente importância mas que veio a ser determinante no meu percurso académico e profissional" .






A primeira folha servia para a identificação do aluno, do professor, da escola, e nalguns casos, como neste, também para início da prova de caligrafia.








Depois chegava a vez do ditado, da redacção e iniciava-se a prova de aritmética...








... que iria terminar na folha seguinte com exercícios que contemplavam as quatro operações algébricas.







07 maio 2009

Classes do Ensino Primário!




Maria Lurdes Gomes.



A frequência do ensino da Escola Primária, hoje denominadas por EBs, a todos marcou de uma forma muito especial! Foi aí que iniciamos a indispensável aprendizagem de matérias que nos iriam servir de alicerces à continuação de outros ciclos escolares e por complementaridade, a uma preparação para a vida profissional. Uma viagem a esses tempos é sempre um exercício de recordações! Relembremos pois, pais, avós, tios, amigos, ou quem sabe..., se não estaremos também numa dessas fotografias de uma qualquer classe da escola do Pombalinho! Clique então por favor, AQUI 






01 maio 2009

Domingos Motta


Outra das artérias do Pombalinho a quem foi atribuída o nome de uma personalidade que foi marcante para a vida colectiva e social dos seus habitantes, tem a designação de rua Domingos Mota . Proprietário agrícola nas últimas décadas do século dezanove, detentor de vastas terras nos campos do Pombalinho e Reguengo do Alviela, por ele passou a sustentabilidade económica, por via de salários que lhes eram pagos, de muitas famílias que viviam dos trabalhos inerentes ao cultivo e amanho das suas terras!


Pela gentil colaboração fotográfica e de texto, de suas sobrinhas, Maria Isabel dos Reis Motta Antunes Mendes e Maria José Motta Nogueira Freire, de quem o Bruno Cruz meritoriamente conseguiu esta bonita participação, vamos pois saber um pouco mais sobre quem foi Domingos Motta.





Domingos Motta de visita a uma das suas herdades.














Biografia da autoria de suas sobrinhas, Maria Isabel dos Reis Motta Antunes Mendes e Maria José Motta Nogueira Freire, a quem obviamente o "Pombalinho" agradece esta excelente colaboração.