29 julho 2009

Retratos XI


Manuel S Freire




No verso desta fotografia está escrita a seguinte dedicatória: "A meus tios e primos, ofereço." Elvas 03 de Agosto de 1908 - Manuel da Silva Freire.




Foto gentilmente cedida por Víctor Reis. 





20 julho 2009

Festas em 1914 !


Nesta época do ano que atravessamos, continua a ser tradicional a realização das festas populares! O principal objectivo destes eventos é naturalmente proporcionar às populaçoes um ambiente festivo onde estas  possam dar largas às suas alegrias de acordo sempre com programas apropriadamente concebidos. Mas também para as organizações para realizarem receitas provenientes das popularizadas quermesses ou até de dádivas particulares, sendo o destino destes proveitos financeiros para melhoramentos a favor da comunidade ou no imediato, para a compra de algum equipamento mais necessitado e urgente. Nestas Festas de 1914 realizadas no Pombalinho nos dias 27, 28, 29 e 30 de Junho, assim foi! O produto resultante da receita, imagine-se, foi para aquisição de uma bomba para extinção de incêndios.






Foi notícia no Correio da Extremadura de 20 de Junho de 1914 a realização das Festas do Pombalinho ...









.... que decorreram durante quatro dias! Houve missa solene na igreja matriz com sermões dados pelos reverendos Fernandes de Castro e Casimiro d'Almeida, vacada , quermesse, fogo de artifício, soberbas iluminações com boas músicas e até não faltou carreiras entre a estação (presume-se Mato Miranda) e o Pombalinho a fim de garantir a presença dos forasteiros. O bazar foi promovido por figuras ilustres da terrra, das quais se destacaram, dr. Carlos Braancamp Freire, dr. José Fernandes, Manoel Coimbra, Augusto R. Cota, João R de Carvalho, António Eugénio de Menezes, Sabino Duarte, António N. Palmeirão, António J. Soares, Joaquim F. Patrício, Carlos Albano da S. Nunes, António A. Mora, Joaquim Gonçalves Ferreira e Júlio José Barreiros.












Uma outra vacada realizada em 30 de Julho de 1914 também foi notícia no Correio da Extremadura do dia 25 Julho de 1914 ...











... na qual se destacou as bravíssimas vacas generosamente cedidas pelo opulento lavrador João d'Assunção Coimbra. Na ocasião da corrida foi rifada um linda garraia oferecida pelo sr. António Rodrigues Junior. A expectativa em vésperas desta vacada era enorme, tal o entusiamo que provocou, devida à presença de milhares de pessoas que estiveram a assistir numa outra lide realizada a 30 de Junho









A realização da quermesse a ser noticiada no Correio da Extremadura em 13 de Junho de 1914...









... onde se explicita a intenção da comissão constituída quanto ao objectivo da mesma, assim como o prazo para envio de produtos a serem vendidos para o efeito.








Colaboração e pesquisa jornalística de Bruno Cruz.






16 julho 2009

As cheias!


Nas referências que aqui temos feito às cheias do Pombalinho, tem sido nossa intenção proporcionar aos visitantes um olhar distante mas simultaneamente presente  sobre este acontecimento natural que periodicamente assola o Pombalinho. É impossível não se falar das cheias, sem algum sentido romântico ou até mesmo nostálgico, tais as histórias que foram contadas pelas mais diversas gerações que tiveram de viver com elas nesses tempos de invernos extremamente rigorosos! Felizmente por acção de muitos colaboradores desta página, a nossa galeria de imagens já é muito considerável, mas mesmo assim e bem, não param de nos chegar outros registos de rara beleza e de momentos únicos, como é o caso dos que hoje publicamos, gentilmente cedidos por Pedro Menezes.



Cheia 1

Excelente fotografia tirada do cimo da torre da igreja no dia 01 de Abril de 1952. Podemos ver os efeitos dessa cheia que chegou a entrar no recinto da própria igreja e alagou toda a zona adjacente da rua Manuel Monteiro Barbosa.




Cheia

Outra fotografia tirada da torre da igreja, vendo-se ao fundo a quinta de Fernão Leite.





Cheia 3

Mais uma excelente fotografia tirada nesse mesmo dia de 01-Abril-1952 do cimo da torre da igreja, vendo-se o casario entre os prédios do Manuel Bispo e do Américo Cachado. Ao longe o cabeço dos Chões.




Cheia 2

Imagem bem elucidativa do nível que a cheia atingiu nos campos do Pombalinho !






Cheia 5

Excelente fotografia!





Cheia 4

Rua Barão de Almeirim, onde a cheia atingiu níveis anormais.






Cheia 8

Cheia de 1940/41 na rua António Eugénio de Menezes.

Foto tirada por António Menezes e cedida gentilmente pelo seu filho António Carlos BN Menezes.





Cheia 7

Rua António Eugénio de Menezes. Momento em que Joaquim Pedro de Menezes se deslocava de barco junto ao local onde, curiosamente, existe hoje o Parque de Jogos e Lazer do Pombalinho.



À excepção da foto referenciada para o efeito, todas as outras foram cedidas gentilmente por Pedro Menezes     




Colaboração de Bruno Cruz e Joaquim MB Mateiro. 








11 julho 2009

Futebol !






Não, não se trata do nosso saudoso Vera Cruz Futebol Clube, mas quase..., tal o número de jogadores do Pombalinho que integraram esta equipa de futebol !!! Com efeito, a formação registada nesta fotografia, que representou no ano de 1947 a União Operária de Santarém, era constituída nada mais nada menos do que por quatro atletas naturais do Pombalinho! O desporto rei nesses tempos, ainda não tinha estruturas criadas na nossa terra que permitissem a sua inscrição numa competição oficial, e vai daí, a emigração desportiva aconteceu!

Mas vamos à identificação possível dos jogadores que formaram esta equipa da capital do Ribatejo em jogo realizado no Campo Chão das Padeiras. De joelhos e da esquerda para a direita, José Braga (Pombalinho), Adalberto, Lopes, João Zé e Ezequiel Mateiro (Pombalinho). De pé e pela mesma ordem, desconhecido, Raimundo (Azinhaga), António Leal-guarda-redes (Pombalinho), Serafim, Manuel Barão (Pombalinho), Zeca e Ramos "Machorro".



     Foto gentilmente cedida por António Leal

     Colaboração de Bruno Cruz






08 julho 2009

Vera Cruz Futebol Clube X !





O campo das Ónias foi durante muitos anos o local  onde o Vera Cruz Futebol Clube disputou os jogos referentes aos campeonatos da Federação Nacional de Alegria no Trabalho (FNAT). Mas tempos houve, em que no Pombalinho a inexistência de uma estrutura de caracter definitivo para a prática da modalidade, exigia muita dedicação e algum sentido de improvisação.

A propósito desta fotografia, escreve Joaquim Mateiro sobre situação futebolistica então vivida:  "Era no tempo em que o senhor Manuel Coimbra ainda não tinha doado o Campo das Ónias, a rapaziada do Pombalinho se queria jogar a bola tinha que o fazer nas eiras e andar de baliza às costas. Assisti a várias partidas de futebol nesses locais quando era rapazola! Esta foto foi tirada numa que existiu a sul de umas terras do Manuel Coimbra, entre a rua Carolina Infante da Câmara e a ponte de Fernão Leite no princípio dos anos sessenta.”


Reconhecem-se de joelhos e da esquerda para a direita, Henrique Minderico, José Correia, António Bento, Diamantino Teixeira e António Manuel Leal. De pé e pela mesma ordem, José Carvalho Gomes, José Bacalhau, António José, João Luís Justino, Manuel Minderico e José Guilherme.



Foto gentilmente cedida por Ema Minderico

Colaboração no texto de Joaquim Mateiro


Para Blog Temático Clicar em  Vera Cruz 




03 julho 2009

Casamentos IX !




Casamento de Manuel Maria Amado Braamcamp Freire com Maria Isabel Reynolds dos Anjos, realizado em Lisboa no dia 29 de Abril de 1942. O noivo nasceu no Pombalinho em 20 de Maio de 1918, tendo falecido em Lisboa no dia 26 de Março de 1988. Seus pais são, o 4º barão de Almeirim Carlos Braamcamp Freire e Maria da Madre de Deus Amado de Melo da Cunha e Vasconcelos. Manuel Nunes Freire da Rocha, 1º barão de Almeirim , é seu bisavô.




Agradecimento especial a Maria da Graça Anjos Braamcamp Freire, filha de Manuel Maria Amado Braamcamp Freire, a quem se deve a publicação desta foto.



Colaboração de Ema Minderico e Joaquim Mateiro