18 janeiro 2013

Pombalinho - Golegã





Por promulgação da Lei sobre a Reorganização Administrativa do Território, no passado dia 16 de Janeiro de 2013,  o  Pombalinho deixa de pertencer ao Município de Santarém e integra-se no Concelho da Golegã!

Cumpriu-se uma legitimidade há muito ambicionada pelas gentes do Pombalinho! É um virar de página muito importante na vida dos Pombalinhenses!  Esta integração será para o Pombalinho uma forte esperança para um futuro que se quer devidamente concertado! A história é  um dos seus maiores alicerces,  que poderá contribuir indelevelmente  para um Pombalinho  moderno e orgulhoso do seu passado!

 Já não temos de atravessar "montes e vales"  para sermos escutados! Agora a planície, da qual afinal nunca deixamos de pertencer,  faz-nos ver melhor e mais longe! O futuro, um futuro mais feliz e devidamente planeado para o Pombalinho, está decididadamente mais perto! 





12 janeiro 2013

António de Araújo Vasques da Cunha

A partir de 1823, para além das contribuições que eram impostas pela Regra , surgiu de novo a  Décima , que era um imposto que tinha sido decretado após a Restauração da Independência pelas Cortes de 1641 para a manutenção de um exército permanente de defesa do País.

 Mais tarde, este pagamento extraordinário,  foi relançado por D.José I  e  incidia sobre prédios, ofícios e ordenados, e tinha como objectivo  fazer face a conjunturas económicas consideradas débeis. Foi o que aconteceu no ano de 1828!

 Mas para além desta forma de pagamento, também foi exigido pelo Estado, aos contribuintes,  donativos voluntários ou títulos da dívida pública, em conformidade com o Decreto Lei de 25 de Junho de 1828.

No número 237 da Gazeta de Lisboa de 06 de Outubro de 1828, consta a doação que António de Araújo Vasques da Cunha ( barão de Pombalinho ), lavrador dos campos de Pombal (antiga designação de Pombalinho) e Reguengo,  fez para esse efeito ao Real Erário do Ministério dos Negócios Eclesiásticos e de Justiça  no valor de 53$330 réis. 




Colaboração e pesquisa: Bruno Cruz e Manuel Gomes